Sala de Aula

Nova edição do blog Sala de Aula


http://reridamaria.com.br/

Seguidores

quarta-feira, dezembro 15, 2010

Com que finalidades estudar Africanidades Brasileiras?

Muitas são as finalidades por que devemos incluir Africanidades Brasileiras no currículo escolar. Por exemplo:

• ensinar e aprender como os descendentes de africanos vêm, nos mais de quinhentos anos de Brasil, construindo suas vidas e suas histórias, no interior do seu grupo étnico e no convívio com outros grupos;

• conhecer e aprender a respeitar as expressões culturais negras que compõem a história e a vida de nosso país, mas, no entanto, são pouco valorizadas;

• compreender e respeitar diferentes modos de ser, viver, conviver e pensar;

• discutir as relações étnicas, no Brasil, e analisar a perversidade da assim designada democracia racial;

• refazer concepções relativas à população negra, forjadas com base em preconceitos.

• buscar conhecer as concepções prévias de seus alunos a respeito do estudado, ouvindo-os falar sobre elas;

As Africanidades Brasileiras, no que diz respeito ao processo ensino-aprendizagem, conduzem a uma pedagogia anti-racista, cujos princípios são:

- respeito, entendido não como mera tolerância, mas como diálogo em que seres humanos diferentes miram-se uns aos outros, sem sentimentos de superioridade
ou de inferioridade;

- reconstrução do discurso pedagógico, no sentido de que a escola venha a participar do processo de resistência dos grupos e classes postos à margem,
bem como contribuir para a afirmação da sua identidade e da sua cidadania;

- estudo da recriação das diferentes raízes da cultura brasileira, que nos encontros e desencontros de umas com as outras se fizeram e hoje não são mais gêge, nagô, bantu, portuguesa, japonesa, italiana, alemã, mas brasileira de origem africana, européia, asiática.

As Africanidades Brasileiras abrangem diferentes aspectos, não precisam, por isso, constituir-se numa única área, pois podem estar presentes em conteúdos e metodologias, nas diferentes áreas de conhecimento constitutivas do currículo escolar.

Revista do Professor - Porto Alegre: Jan/Mar - 2003

Nenhum comentário:

Postar um comentário